A crise política brasileira, uma grande novela para o mundo!

#CRISENOBRASIL

 
O mundo inteiro não tira o olho do Brasil. A cada, fase da lava jato e, agora com o governo numa crise sem fim, faz do país, uma agenda certa e farta para mídia mundial. Os personagens são curiosos, presidente da câmara dos deputados, Eduardo Cunha, auto intitula, evangélico, mas é réu em diversos processos, uns deles por falta de decoro parlamentar.  A rede de intrigas que envolve os políticos brasileiros e a trama da investigação da lava jato nutre a curiosidade da imprensa internacional.

 

Nunca no mundo moderno se viu um esquema de corrupção dessa magnitude, presidente da câmara é réu, presidente do senado respondendo vários processos, uma centena de deputados pegos em chantagem e propina. O enredo dessa epopeia desperta os olhos do planeta. Eles não estão interessados em saber qual lado é o certo. O combustível dessa trama traz como pauta folhetim da vida política brasileira, onde existe relações de corrupção entre empreiteiros, lobistas, empresários, deputados, senadores e um ex-presidente da república.

Talvez a trama política posta as claras nesses últimos meses, seja um estado de anacronismo aprendido em telenovelas. De um lado uma presidente da república apadrinhada por um ex-presidente emergido dos pobres, tendo como plano o pensamento social de esquerda. Para fechar o pano de fundo, um país com epidemia de dengue, chikungunya e Zika.

Estamos vivendo um folhetim ou não estamos?! Antes fosse uma telenovela, mas é real, e estamos em decadência como nação.

Enquanto isso, o mundo acha surreal nossa crise…

Novas eleições

Começo a pensar e vejo que nova eleição pode ser um caminho viável para vencermos a crise. A rua é excelente para despertar a consciência do povo. Mas quem une uma nação é a urna, o voto.

Agora resta esperar o TSE…

Na ONU, discurso de Dilma foi cauteloso

Em seu pronunciamento na ONU – Organizações das Nações Unidas, presidente diz que brasileiros saberão impedir retrocesso do país. Será?

 

 

 

 

 

 

Deu Zika, na República Tupiniquim

dilma 111Na semana passada, li um post que dizia assim, (só Jesus salva o Brasil). Desta feita, sempre valorizo, pois eu sei o significado implícito e explicito do ícone da figura central do cristianismo. Comecei a analisar figuras importantes de nossa história, como Joaquim José da Silva Xavier o (Tiradentes), ou Barão de Mauá que tinha a ambição de modernizar o Brasil, só não fez mais coisas porque o imperador Dom Pedro II invejava seus feitos.

A crise política enfrentada no país é algo, sem precedentes, onde o ódio começa a tomar conta das ruas. Sobre esse aspecto comecei a analisar as figuras, de Tiradentes, barão de Mauá, Mahatma Gandhi, Martin Luther King; ícones da história, pessoas que tiveram coragem de sobrepor as suas próprias vontades em favor de uma sociedade mais justo. Esses heróis da história, tiveram em seu destino traços de moralidade, ética e coragem, foram honestos junto a sociedade trabalharam em prol dos avanços sociais e da igualdade entre os povos.

doi

Comecei a perguntar. Esses ícones foram políticos? Foram éticos? Tiveram moral? Tratava as pessoas com respeito? Foram honestos? E todas as perguntas foram-me sendo elucidadas à medida que as colocava em confronto. Fazendo uma contextualização, refaço novamente as perguntas. Os políticos do Brasil, são éticos? Tem conceitos de moral elevada? Tratam as pessoas com respeito? São honestos? A essas perguntas me faltaram respostas e então pude conjecturar nossa crise econômica, social e política. A única resposta plausível e real de veracidade ímpar, estamos em decadência social…

2016 não é somente o ano da erupção da crise no Brasil. É o ano em que estamos colhendo os frutos malditos de não ter investido na educação, numa escola de boa qualidade. Uma nação que escolhe o capitalismo sem o desenvolvimento educacional, não dando valor escola como o futuro de país, propõe o atraso e ser subjugados pelo mundo moderno. O reflexo do BRASIL que vivemos hoje, é uma imagem de um espelho que se quebrou quando os governantes optaram por um crescimento sem base e alicerce central na educação.

corrupcao-thumb-600x368-98405

Em quais escolas de ética e moral, a classe política atual, estudou? Quais os princípios basilares dos governantes e dos governados? Essas questões dão um poder de analise para podermos traçar parâmetros no que a sociedade tornou –se, neste atual momento. Estamos vivendo um momento histórico, onde já se busca a ruptura do “jeitinho brasileiro, porque não existe lei da vantagem que sobreviva, quando a sociedade procura viver de forma justa e igualitária. E sobre esse aspecto a educação e uma escola de boa qualidade é essencial. As cenas e o “show” mostrado pelas mídias no mês, esclarece a situação desprezível que os políticos tem, pela busca pelo poder.

A Constituição Brasileira de 1988, em seu artigo 1. Parágrafo único diz, “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”. Esse artigo é lindo, enobrece nossa cidadania, mas o brasileiro não compreende escolher de forma certa seus governantes. Continuamos a eleger gente baseado na política existencialista, “ me dê um pedaço de pão que te dou meu voto”. A política de “troca” de votos ainda é majoritária no território nacional.

No Brasil atual, vota-se na mesma forma que nossos tataravôs, escolhemos nossos representantes, por favores pessoais, desta feita estamos viciados, num rito cego de escambo. Esse fenômeno, atrasou o Brasil, e ainda atrasa. A república idealizada deu ZIKA e ficamos à mercê de governantes oligárquicos, que utilizam o Estado de Direito para seu próprio bem, esqueceram do futuro e das próximas gerações. Sem a busca de valores morais pautado pelas éticas, estaremos para sempre numa república ZIKADA.

#Brasilemcrise

dilmac

 A cada dia, uma nova notícia sobre a lava jato, e a cada semana um novo escândalo surge nesta operação que tornou –se o “calcanhar de Aquiles” dos políticos brasileiros. Vazou essa semana uma super planilha encontrada pela polícia federal, na devassa feita na Odebrecht na 26ª fase da operação. A temida planilhas encontrada na empreiteira coloca em confronto todo sistema político, pois estão envolvidos 24 partidos, caciques do PSDB, ex-ministros, prefeitos de capitais dentre outras figuras da política nacional.

Existem relatos que o esquema de propina acontece desde o governo Sarney (1985 -1990). Os relatos na tal planilha do “fim do mundo”, pode trazer um clima de “ terra devastada”, conforme comentários dos bastidores do congresso. Mas a questão não é só essa, implica em perguntas que ainda não temos respostas. 1º como seria a democracia brasileira, sem a corrupção? Como seria a saúde, educação e infraestrutura do Brasil, sem essa podridão? Agora, não só a economia em estado crítico, mas 10 milhões de brasileiros estão desempregados, vai dar força ao impedimento da presidente Dilma. E o declínio do PT acontece numa velocidade de avalanche, pois o discurso de equidade e crescimento de renda dos mais pobres já não tem forças, já caiu essa bandeira, o PT não pode mais hastear esse lema.

O #nãovaitergolpe, oficializado pelo governo essa semana, é uma tentativa do governo de contrapor a força do impeachment que correr por conta próprio com o declínio do PT, Lula e Dilma nas últimas semanas. Não é somente a elite que deseja o impedimento do da presidente. Conforme artigo da escritora e jornalista, Malu Gaspar, da Revista Piauí, ela explica abre aspas “Esse é o trabalho do instituto de pesquisas Data Popular, que se especializou em compreender o que se passa na cabeça dos brasileiros com renda familiar abaixo de 3 500 reais por mês – as chamadas classes C, D e E. O Data Popular descobriu que os mais pobres não foram às manifestações porque, primeiro, as consideram coisa de rico”. Depois, porque são totalmente descrentes dos partidos e do sistema político e não acreditam que a queda de Dilma Rousseff vá trazer mudanças radicais no panorama econômico e social. Quando se aprofunda a compreensão sobre o que pensa essa parcela da população, emerge o fator que realmente separa ricos de pobres. E não é o impeachment”.

17998552 (1)

Esse estatístico coloca o PT contra a parede e sinaliza que a população em sua grande maioria deseja a saída de Dilma Rousseff da presidência da República, mas por motivos opostos. A classe C, D e E, conforme esclarece, Renato Meirelles, presidente do instituto. “Os brasileiros estão bem menos divididos quanto ao impeachment do que sobre o que deve ser o futuro do país. ” Segundo ele, a classe C está mais indignada com o encolhimento de benefícios como o Bolsa Família, o Minha Casa Minha Vida, o Prouni e o Pronatec do que propriamente com a corrupção. “Para eles, a Dilma tem de sair porque não cumpriu os compromissos de campanha e não conseguiu ampliar esses benefícios. ”

moro (1)

O tratamento que o PT trata a seriedade da conjuntura política dá medo aos brasileiros, não estamos vivendo um momento fictício de contos de fadas, estamos com a economia a frangalhos e com o desemprego crescente. Não existe varinha mágica, para a tia Dilma tocar e fazer com que tudo fique normal! Não existe coelho da cartola do super Lula, defensor dos coxinhas oprimidos.

Estão polarizando a sociedade, entre os que são contra e os que são a favor do impeachment. A gigantesca batalha agora é para o Brasil dar um novo progresso e combater a corrupção. É isso que tratamos. Pode-se ser a favor do equilíbrio, dos avanços sociais, e apoiar a guerra à corrupção que está aniquilando a nossa nação. A luta é contra a corrupção. Não se pode ficar no dilema de abolir conquistas passadas. O momento atual e complexo e duro estão tirando pedaços da sabedoria coletiva do país. Estamos ficando presos aos falsos dilemas.

18088103

#foradilma , #naovaitergolpe

Acabou, PT! O impeachment, é um processo Constitucional. Não existe golpe!

BRASIL EM CRISE – O Brasil e o jogo do poder. Acabou. A elite Ganhou!

jogo de poderAlvares Cabral chegou aqui. A primeira troca que fizeram foi com os índios, Renato Russo, cantou isso nos anos 80, com a Legião Urbana.  “Nos deram espelhos e vimos um mundo doente -Tentei chorar e não consegui” e partir daí, surgiu o Brasil que conhecíamos até agora. Logo depois com a chegada da família real a coisa se tornou oficial. E toda essa podridão de Estado e versus Oligarquias tornou –se oficial e se emaranhou no DNA da sociedade. Essa relação de ESTADO VERSUS OLIGARQUIAS, firmou tornando se regra para estabelecer o capitalismo no Brasil.

Então… chegamos ao ano de 2001 /2002, ano que o partido dos trabalhadores – (PT) fez a aliança com as oligarquias, o então eterno candidato do “Povo” estabeleceu sua aliança com esses poderosos que detém o poder financeiro – a grana. Assim surgiu o “Lulinha paz e amor”, mudou sua aparência, fez alianças com evangélicos, com a CNBB – A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, só não fez com o diabo, porque Lula é medroso, tudo logicamente arquitetado e articulado pelo seu “amigo” e ex-ministro Jose Dirceu. O   ex-ministro é a peça chave para a eleição de 2002 e todos os esquemas que foi feito de lá para cá, Lula tem o carisma, o Zé a engenhosidade de fazer os acertos e alianças. Quando o Mensalão colocou em cheque Jose Dirceu, todas a forma que o PT tinha de fazer o politica e se manter no poder, enfraqueceu.

Por sua vez, ás oligarquias estavam protegidas e mantiveram o PT no poder, pois não impediam o lucro o dos poderosos até um juiz de Curitiba, Sergio Fernando Moro, perceber um movimento estranho de lavagem de dinheiro, ligado a empresa de posto de combustível, surgiu assim a operação LAVA JATO, temida por políticos, empresários e pela elite, e o caldo engrossou.

Analisando friamente, o ex presidente Luís Inácio Lula da Silva, tem sua trajetória de vida e ascensão política até chegar ao poder, mítica. Lula é notícia, onde quer que esteja um “prato cheio” para mídia. Então Moro utilizou tal fenômeno midiático para atiçar a opinião pública contra o Lula, atingindo assim o âmago do governo Federal.  Em artigo, publicado na folha de 18/03/2016, o professor, Vladimir Safatle,  livre-docente do Departamento de filosofia da USP (Universidade de São Paulo), explica “Não quero viver em um país que permite a um juiz se sentir autorizado a desrespeitar os direitos elementares de seus cidadãos por ter sido incitado por um circo midiático composto de revistas e jornais que apoiaram, até o fim, ditaduras e por canais de televisão que pagaram salários fictícios para ex-amantes de presidentes da República a fim de protegê-los de escândalos”.

Moro cometeu um único erro como Juiz, deixou a toga de lado, para incitar a opinião pública dando combustível a um espetáculo midiático composto por revistas e jornais que já tem um histórico de apoio as elites. Essa reverberação é aquecida, dia após dia pelo frenesi das redes sociais que dar combustão ao assunto. Moro é um juiz deveria buscar a neutralidade para julgar cada fato e executar a justiça. Infelizmente, o meritíssimo senhor juiz de Curitiba, se tornou uma ferramenta afiada para proteger as elites, não soube resguardar a república e provocou um “terremoto” na relação entre os três poderes. O supremo vai se vingar das palavras proferidas por Lula, já o Congresso vai ser inflamado pelas vozes das ruas e o governo se torna um paralitico na fila do SUS, à espera da cura, ou fica à espera do impeachment. Os três poderes no Brasil estão doentes e abalados, o executivo e legislativo pela corrupção epidêmica, o judiciário autoritário e agora a serviço das “elites”. No capitalismo, que vive o Brasil nesta bagunça presenciada, na praça dos três poderes só alguns saíram ganhando, triste falar isso. Mas só a elite, essa velha oligarquia vai ganhar o jogo de poder. E os “coxinhas” irão apanham na rua para proteger seu mito. E os que foram para rua desta vez buscando “algo democrático”, estarão deflagrando o poder das elites que nunca usaram o verde e amarelo. Acabou! A elite – oligarquia incitou os três poderes e colocou todos num saco e disse eu mando aqui. Acabo esse meu desabafo, com trechos da música, índio de Renato Russo – “Quem me dera, ao menos uma vez, explicar o que ninguém consegue entender! ” Fui …

Bento

 

 

Conversas no busão, Papo de Pai para Filho

 

images (1)

Na linha 513 – São Camilo – Vila Arens, o filho Jefferson e seu pai João conversam. A rotina começa no pé do moro, onde a família mora.

_Pai…. Por que só as pessoas como a gente usa o ônibus? __ há meu filho, sobre essa pergunta, existe tantos porquês no mundo em que vivemos têm um jeito de ser e uma certa divisão, ingrata, mas vivida pela maioria do povo. Vamos deixar essa conversa para daqui alguns anos.

__ Pai… mais uma pergunta? Porque o Zé, ficou “puxando o saco e bajulando” o Prefeito na entrega dos apês e porque a mãe chamou o prefeito de “comuna mentiroso, maria vai com as outras”.

__. Essa história vou contar meu filho, há quase quatro anos, o tal “comuna”, foi eleito prefeito. Prometeu que iria mudar tudo na cidade e faria o jundiaiense esquecer, Haddad, Benassi e Fossen, mas as coisas não andaram dessa forma e logo o prefeito, mudou seu discurso e passou a morar no mais tradicional bairro de gente rica da cidade – o tal bairro da Malota, onde sua mãe já foi diarista.

Mais pai, ele colocou a passagem R$ 1, 00 no final de semana! __Filho… isso chama assistencialismo – não é bom. Faz do povo, escravo do governo, o que precisamos é de escola de boa qualidade e trabalho justo com um bom dinheiro no final do mês.

__Pai … o uniforme da escola é de graça, isso não é legal! …é sim! Mas não esquece, no Brasil, tudo que se compra tem imposto e pagamos por tudo. E sendo assim é nosso direito.

__infelizmente meu filho… No Brasil os políticos agem com assistencialismo desde que Cabral chegou aqui. Papai ?! Não entendo! A TV toda hora mostra que o ex –presidente que tem nome de bicho do mar, o tal Lula que ele é “ladrão”, igual os caras lá do morro. É verdade isso? Filho existem coisas que foge de nossos olhos e quando uma pessoa que surgiu do povo deixa seu “ideal ou sonho” para conquistar seus próprios interesses acontece isso.

__Papai? Nós vamos na manifestação da 9 de julho? É no domingo, acho que dia 13. Não meu filho, isto não cheira bem, mais parece um ato com segunda intenções dos empresários e a velha oligarquia que manda no Brasil que foi ferida pela lava jato.

__ Como Assim? Filho desde que esse tal de juiz de Curitiba o (Moro), começou a descobrir essa podridão que o Brasil vive, muita gente poderosa e rica, foi presa ou perdeu o poder. O que precisa valer são os valores da constituição. __ Aquele livro que fica no rack, pai? Sim meu filho, esse livro foi escrito em 1988, pelo congresso, nele estão as leis que regem o Brasil, nossa carta magna. __ Pai, Tipo bíblia? __. É, pode ser dizer, que tem uma importância parecida.

Mais… mais… Pai? E o tal prefeito, “comuna mentiroso, maria vai com as outras” que a mãe falou. __ Tá … filho! Acontece que ele deixou o seu Partido o tal de PC do B para fazer parte de um partido liberal o tal PSD. E isto para o povo é visto com “traição”, tipo “judas”… Pai, pai já entendi… ele deixou o barco, quando estava afundando. Isso é feio

Pai o senhor não vai votar nele… não filho, nunca mais.

Por Jonathan Ladeia

meu mundo

Com orgulho ferido, mas ganhei meu lanche

Meu prêmio na copa do mundo do Brasil 2014

Um pouco antes de começar a copa no BRASIL. Fui convidado a participar do Cartola do GLOBO ESPORTE por dois amigos. _ Era para descontrair relaxar, enfim brincar um pouco. Comecei a escalar os times das rodadas do brasileirão.   Ficou divertido, empolgou, começou a copa e começamos a participar do BOLÃO CAMPEÂO do canal Sport TV. Eu revi todas as estatísticas de jogos de copa do mundo. Comecei bem acertei varias partidas. Foi muito bacana estar na frente quase toda a copa. Até o terrível dia em que os alemães promoveram o massacre no Mineirão.

Confesso que o grito de Gool da Alemanha ecoou em minha mente vários dias!  Fiquei imaginando como Nelson Rodrigues e Armando Nogueira, duas lendas da crônica esportiva e amantes do futebol brasileiro, escreveria esse momento único. Vexame versus choro… Vergonha… Morte do futebol arte ect.

Aquela terça-feira negra, mortífera para o futebol brasileiro ocorreu normal para mim. Cheguei ao trabalho fiz todo minha rotina. No momento exato de sair do trabalho as 17:00 o jogo começou. Tinha a esperança de 1x 0  para o BRASIL no máximo 2×1 um jogo duro de COPA  DO MUNDO. Nunca a vergonha escancarada do 7×1 para Alemanha. Nem o Galo, Paulista de Jundiaí, teria capacidade de tal proeza, rs.

Era um dos últimos orgulhos que os brasileiros ostentava – era um símbolo do civismo, nos colocava no topo da civilização moderna. Tampava as mazelas sociais e a corrupção que assola nossa nação. Torcer para seleção canarinho era como se igualar aos melhores da Terra. Já fazia muitos anos que não tínhamos o melhor futebol do mundo, mas isto estava “adormecido” e tentaram nos “acordar” quando o Santos tomou uma “banho” de futebol do Barcelona em 2011.

Meu orgulho de brasileiro ficou ferido, perder em casa, poderia acontecer. Todos sabíamos que a seleção brasileira não estava bem. Mas o vexame de perder de goleada, nunca nem mesmo, NELSON RODRIGUES poderia prever tamanha derrota. Um coveiro do cemitério São João Batista, diz que naquela terça-feira vergonhosa, ouviu gemidos de terror próximo à sepultura do genial escritor e cronista esportivo.  Eu me calei, com orgulho ferido, mas no final da copa, ganharia a aposta do BOLÃO SPORT TV – os varzeanos.